SINOPSE DO LIVRO TERCEIRA SEDE

Clique na imagem para ampliar.
Capa do livro Terceira Sede por Fabrício Carpinejar
Autor
Gênero
N° de páginas
96
editora
Bertrand Brasil
ISBN
8528613844
Formato
14 X 21 cm
Nota do Leitor:   

Compartilhe

Compre este livro!

Livraria Saraiva
Livraria da Folha
Submarino.com.br
Extra
Livraria Cultura
Americanas.com
Buscapé
Veja também:

Carregando Sugestões



RESUMO DO LIVRO TERCEIRA SEDE


ILHA NADANDO DE COSTASSão dez elegias, mais de dez poemas. Antes de ser um poeta, Carpinejar é um pesquisador da alma e dos apelos humanos, sintetizados e muitas vezes ampliados no território de sua vivência pessoal, na sua maneira de ver e sentir o mundo.Sobretudo, no sentir-se. Tudo o que se exige do poema moderno, inclusive a contenção formal, a ausência de adornos e margens, já estava presente na obra anterior, tanto em As Solas do Sol como em Um Terno de Pássaros ao Sul, coletâneas que inscreveram o nome de Carpinejar entre os poetas mais expressivos da sua geração.Uma ilha nadando de costas. As metáforas, pão e vinho da poesia, são o forte dessas elegias, que podem ser lidas como um poema só ou fragmentadas numa sucessão de haikais, cintilantes, precisos, necessários.Terceira Sede, permito-me aqui revelar, teve um título anterior, que incluía as palavras fundamentais da arquitetura poética: memória e sede. Transcendendo o espaço físico de uma existência, as elegias aqui reunidas alcançam a intemporalidade, que é mais modesta do que a eternidade, mas tem a mesma dimensão: “Atravessei o século e ainda não me percorri. / Tornei-me o diário de uma viagem cancelada.”Citei dois versos da primeira elegia e citarei o último verso da décima: “Envelheci, tenho muita infância pela frente.” No limiar de seus primeiros 30 anos, o poeta adquire um ponto de vista autônomo e privilegiado para se olhar e olhar a vida.Presente, passado e futuro não formam memória, sua mesa está repleta de ausências. Coloca-se à frente do tempo, atinge uma idade que ainda não tem: “Como posso ter morrido antes, decidi antecipar a velhice.”Tal como Dante, no meio do caminho, todo poeta busca este patamar impreciso, de onde pode contemplar, gradualmente ou simultaneamente, o inferno, o purgatório e o paraíso da condição humana. Terceira Sede é embrião e súmula da viagem que todos fazemos em busca das estrelas, “e quindi uscimmo a riveder le stelle”. Ao deixar o inferno, ilha nadando de costas, temos direito ao paraíso desde que aceitemos o purgatório: falta-nos talento para esquecer. Pessoalmente, acredito que Carpinejar está condenado a um poema único, indestrutível, inconsútil como a túnica dos verdadeiros condenados. Sua entrega à poesia é total, urgente, inadiável. Embora confesse na terceira elegia a nostalgia do silêncio, “cedo aprendi a falar, tarde a me calar”, Terceira Sede é definitivo como um poema em si, mas inconcluso como a própria sede nunca saciada. Carlos Heitor Cony

Fonte: Grupo Editorial Record

O que você acha sobre o livro ? Exponha sua opinião.

Nota

NOME *

e-mail (não será divulgado)

site

Comentário *

Comentários dos Leitores a Respeito de !

Seja o primeiro a opinar!

Livro do dia Livro do mês


O que ler?  O que ler?

Etapas

 Algumas perguntas

 Respostas processadas

 Filtragem do acervo

 Sugestões para você!

Indicações Indicações

Enquetes Enquetes

Em que site você costuma comprar livros?





Ver resultado

sinopsedolivro.net


O catálogo online de livros nacionais e internacionais

Política de Privacidade

Ajuda  Ajuda


Sobre  Sobre


Contato  Contato


Anuncie  Anuncie no site

Faça download de nosso Media Kit para saber como anunciar no Sinopse do Livro

Divulgue seu livro  Divulgue seu livro

oPa!Caroé